Feeds:
Posts
Comentários

Archive for outubro \13\UTC 2007

Decrescente

Decrescente

Um sorriso guarda segredos
Que nem todos querem ver.

Nesse pequeno e simples gesto
A alma se revela
Transborda em sentidos
Espalhando a todo canto
Um toque especial
Uma doçura magistral
Que se dispersa pelo ar
Construindo emoções
Cativando corações
Lamentando o simples fato
Da existência de alguém
Que na tristeza dominante
Esquece da alegria
Esquece da magia
E se torna alguém distante e infeliz
Alguém que simplesmente
Não consegue mais sorrir.

Alcy Filho 

Imagem: Branca Mattos

Anúncios

Read Full Post »

À noite

Exposição do Imperial War Museum, em Londres.

Desde pequeno vejo monstros
Perseguindo e gritando
Enchendo de terror a minha noite
Invadindo os meus sonhos.

Não importa o que eu faça
Eles continuam lá
Depois da esquina, atrás da porta,
Esperando eu chegar.

Não é sempre que eu os vejo
Nem sempre aparecem
Só me pegam desprevenido
Então o pior acontece.

E de manhã, quando eu acordo,
Dou um pulo de alegria
Fico satisfeito, pois é dia,
E o terror se escondeu.

Escondeu-se no escuro
No fundo da minha mente
De onde às vezes ele sai
Para perseguir-me novamente.

Read Full Post »

Mundo irreal

Daíma olhou para o lado e fechou os olhos novamente. Não queria acordar. O sons da floresta queriam levá-lo de novo para seus sonhos, para seus delírios. Mas ele precisava acordar. Era dia de mudança. Seu grupo iria deixar o terreno e desbravar a mata para encontrar um novo lar.
O sol da manhã ultrapassou as folhas de bananeira, focando seus olhos negros. As crianças brincavam ali perto imitando sons de bichos. Daíma se levantou e foi ao rio se purificar. Era preciso renovar as forças para o trabalho. O Rio Caminho, como o batizaram, emprestava suas águas para homens e mulheres se lavarem. Eram seis adultos e cinco crianças. Todos pareciam ter acordado há pouco tempo.
As mulheres se uniram para sair pela mata, colhendo o que sobrou de frutos para a viagem. Os homens se dirigiram às casas e começaram a desmontá-las. Ao passo de uma hora todos estavam prontos para seguir pela mata.
Não havia pais nem mães. As crianças brincavam com todos, sem se apegar a ninguém em especial. Mas elas não se atreviam a se disperçar dos adultos. Sabiam que as ávores escondem perigos atrás de cada folha.
Sempre um do grupo ficava responsável por ir na frente. Hoje este cargo era de Daíma. Ele ia quebrando galhos e afastando obstáculos, sempre atento à perigos, como cobras e onças. Mas o que ele mais temia encontrar era um outro grupo. Em toda sua vida, ele nunca conheceu outras pessoas, apenas seu grupo. E a tradição deles era de que o mundo era suas casas. Quando deixavam um lugar, este deixava de existir. Eles eram os únicos habitantes de seu mundo.
O caminho estava difícil. A mata fechada revelava plantas cheias de espinhos, difíceis de cortar. Daíma olhava atento para os lados, esperando sempre encontrar um animal ou outra clareira desabitada. E foi isto que ele encontrou. A clareia tinha uma fogueira de pedras ainda com sinais de fumaça e algumas folhas grandes cobrindo o chão. Daíma ficou paralizado ao ver um estranho recipiente. Parecia um cesto de material estranho e áspero. Resolveu olhar dentro. Encontrou instrumentos de corte, pós coloridos e outros tantos objetos que não conhecia. Ele enfiou a mão mais adentro e pegou um pedaço de metal brilhoso, que parecia retratar as copas das árvores. Daíma virou o objeto e contemplou sua imagem refletida nele. Assustado, deu um pulo para trás, deixando o espelho cair no chão.
Ao levantar, seus olhos se depararam com uma estranha visão. Parecia um sonho. Uma mulher com vestes desconhecidas estava parada ao lado de uma árvore, olhando para ele. Lentamente ela se aproximou do cesto e fechou-o, sem retirar o olhar de Daíma. Depois começou a recuar até o fim da clareira. Sem esperar, a mulher se virou e deixou Daíma sozinho.
O vento acordou-o de seu devaneio, trazendo de volta o barulho da mata e do grupo chegando.
Daíma não contou o que viu. Não falou sobre a mulher à ninguém. A visão ficaria para trás, como todos os lares que havia abadonado.
Era hora de construir um novo mundo.

Read Full Post »

Preito à existência

Preito à existência

Às vezes penso como seria…

A vida sem problemas
Sem brigas e contendas
Sem dúvidas, só certezas,
Sem ódio, puro amor,
Sem espinhos, apenas flor,
Sem raios, plena chuva,
Sem perdas, só vitórias,
Sem violência, somente paz.

Então me vejo neste mundo
Criado por Deus, dado ao homem,
E me sinto grato pela vida
Pelo dom que o Pai me deu
De consertar o que é errado
Ensinar o que é certo
E sonhar com o perfeito.

Imagem: Murilo Ferraz Franco

Read Full Post »

Apelo cego

Apelo cego

Estou me afogando

Não me acho

Este mar é imenso, gélido.

Fecho-me diante das barreiras

E afundo no pensar, imaginar,

Não consigo ultrapassar

Nessas correntes sem fim

Estão atrás de mim

Posso sentir o fluido

Perseguindo meus sentidos

Calmo e agitado, nos confins do início

Correndo e fugindo do desconhecido

Batizo de estranho mar das impurezas

Que é meu amigo nessas horas

Aonde transfiro meu ódio

No tempo e no espaço

Que me cega e leva a perdição

Mas o muro é abalado

Sei que agora é o momento

Passo pela fenda

Vem ajuda da superfície

E encontro meu socorro

Do alto

E o perseguidor desiste

Não me afogo mais

Não corro mais

Estou a salvo da angustia

Longe dos becos escuros.

Diante do gesto simples e perfeito

Estranho ao olhar passivo

Do planeta de ídolos

Cansado de heróis

Pedindo por ajuda

Num coro de desespero

Que escutamos, não sentimos,

Estamos cegos, perdidos,

Afogados.

Read Full Post »

Ainda chego Lá

Ainda chego Lá

Parede de pedras sólidas
Um pouco maior que você
Mas só um pouco
Ainda dá pra ver além
E Lá é belo, posso te afirmar.
Lá é sensacional
Sempre fico nas pontas dos pés
Para conseguir olhar.

Tomei como objetivo
Caminharei o que for preciso
Enfrentarei todas as curvas
E um dia, nas últimas rochas
Chegarei Lá
E vislumbrarei a sensação
De alcançar o meu destino.

Mas há de se esperar
Pois temos curvas e caminhos
E pedras para transpor
No duro caminho para Lá.

Read Full Post »

Eterno apego

Eterno apego

Está frio e já anoitece
Volto pra casa, rumo à solidão
Preciso de conselho, algo que me alegre
Mas não encontro um se quer que tenha compaixão
Vejo esquinas e esquinas
Cruzamentos e desvios
Todos traem meu caminho
Levando-me para longe
Distanciam-me de meu objetivo
Preciso alcançar aquelas tardes
Donde respirava sem pensar
E diante das tuas palavras
Começava a imaginar
Como seria sem ti
Sem sua atenção para me ouvir
Me ouvir nos desabafos
Que fluíam no silêncio de um olhar
O que preciso é te abraçar
Me lembrar do teu sorriso
Que agora fica na lembrança
Penso e reflito
Sua face continua em minha mente
Tão nítida e clara nas entrelinhas
Que revelam a verdade do sentimento
Que ninguém escuta, cheira ou sente
Mas que olho bem no interior
E me recordo de tudo que vivemos
Grande amigo da infância
Tu fostes embora e não te vejo
Mas será querido para sempre
Não sairá do meu pensar
Pois de fato somos amigos
Que nem luto pode separar.

Read Full Post »

Older Posts »